5 de set de 2014

Surtos submissos


Costuma-se falar dos prazeres e das dores da entrega, pois, é o que nela há de mais forte e evidente. O prazer que encontro na submissão é o maior que já encontrei em termos eróticos, e as dores são igualmente intensas. Entretanto, toda essa intensidade mexe muito com o nosso emocional e, embora as nossas emoções estejam sempre em pauta, existem também os surtos, dos quais pouco se fala. 

É, eles acontecem! E é pelos mais variados motivos.

Acredito que, em algum momento, toda sub tenha surtado ou venha a fazê-lo.

Estamos em contato com emoções das mais intensas e nem sempre é algo simples mantê-las sob controle. Por vezes é impossível não sair dos eixos da razão e derrapar numa das curvas da emoção. 

"Um surto ou crise emocional pode se manifestar de diferentes formas, mas, de forma geral, entende-se como sendo uma reação do sujeito frente a um acontecimento em que não se sinta preparado emocionalmente para enfrentar. É muito comum em vivências que exigem do sujeito adaptação. Dessa forma, as crises não são, necessariamente,  algo ruim ou prejudicial à vida do sujeito. Ela pode ser um processo de autoconhecimento e fortalecimento pessoal."

Logo em meu primeiro contato com o meio BDSM, passei por um momento dos mais difíceis.

Eu estava maravilhada com tudo que descobria sobre submissão, em estado constante de tesão à flor da pele e sob restrição de orgasmo, com tudo isso junto e ainda sem saber lidar com as novas e intensas sensações que se apoderavam de mim, tive um surto que a princípio foi assustador, revelador mais adiante.

A sensação era de que enlouqueceria e não voltaria mais ao normal. E, em parte é verdade, depois de conhecer a submissão não se retorna mesmo ao estado anterior. Ainda assim, aquele misto de sensações formava uma grande confusão mental, algo desesperador.   


Um depoimento 

Certo dia, adormeci brevemente no sofá da sala, havia apenas eu e mais um familiar em casa. Não me lembro de ter tido sonho erótico, é comum despertar mexida depois deles. Acordei me esfregando no sofá e quase gozando.  Mal podendo me mexer, senão, gozaria ali mesmo, eu tentava sair logo dali, precisava ficar sozinha pra me recompor. Mas a cada tentativa de me mover, uma onda de tesão tomava conta do meu corpo. Sem saber o que fazer, fiquei imóvel por um tempo e com as mãos tampando os rosto, pois, o tesão, a vergonha e a vontade de chorar estavam estampados nele, respirei fundo e, mesmo sem muita firmeza nas pernas, consegui chegar até o banheiro, que se tornou meu refúgio. 

Entrei embaixo do chuveiro, a ideia era que a água me acalmaria. Ela em nada ajudava, junto  com ela, desciam as lágrimas e lavar as partes íntimas era impossível, pois, tocá-las, só fazia aumentar o tesão. O interessante era que masturbação sequer me vinha à mente O desespero era tamanho que eu não raciocinava,  havia o choro copioso, os murros na parede, a raiva, vergonha, culpa, medo de enlouquecer... 


Depois de várias tentativas frustradas de retornar à sala e encarar a pessoa que acompanhava àquela cena patética, finalmente consegui dizer-lhe algumas palavras. Não adiantava explicar, alguém de fora jamais entenderia a situação, eu mesma não entendia.  

Ainda em estado deplorável e sem conseguir dizer o que estava acontecendo, enviei mensagens ao Interessado desistindo de tudo, porque estava enlouquecendo e não podia viver daquela forma, enfim, enviei-lhe um texto incompreensível. Enviei essa e várias outras mensagens sem conseguir dizer tudo que deveria ser dito. Tendo finalmente recobrado o juízo, expliquei tudo.

Resumindo, eu surtei mas, foi à partir daí que comecei a compreender o que é ser submissa. Teria sido tão mais fácil se eu o tivesse desobedecido e, na época, me questionei bastante por não tê-lo feito, já que evitaria vários transtornos.
Tempos depois, entendi que obedecer é difícil, mas desobedecer ao Dono é ainda mais difícil, e que, esse sentimento submisso é mais forte que eu, mais forte que a razão e que não dá pra fugir dele, pois, ele é parte de mim. Não é à toa que existe uma frase (desculpem , não sei a autoria) que diz; "Obedecer é difícil , por isso eu faço".

Esse foi o primeiro de outros surtos que ainda viriam, mas que fazem parte da vivência submissa . 

É nosso crescimento, nossa luta interna entre o que se pode e o que se deve, mas que nos torna melhores e mais  fortes.

luah negra 






luah negra

10 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Assunto muito interessante, luah negra!
Afinal, quem nunca? rsrrsrsrs
Disse-o muito bem, lidando com emoções tão intensas surtamos às vezes, pelos mais variados motivos. E mente de submissa é fértil demais... como viajamos, meu Deus! Acho que isso tinha que ser objeto de estudos, mas vc definiu muito bem esse "dom" que temos, as causas e até os ganhos.
Parabéns por mais essa.

Beijos

{ÍsisdoEgito}JZ - Tua, somente tua disse...

Quem não surta? Por favor, se conhecerem alguém ou alguma submissa, me apresentem...rs

Em 7 anos como escrava submissa, vivi e vivo sempre em surtos, bons e maus, altos e baixos, discretos e sonoros, compulsivos e crônicos, mas sempre surtando...

Mas faz parte da natureza humana, sem eles, não se cresce, nem se aprende...

Excelente o texto.

Beijos carinhosos,

ÍsisdoEgito

Sensualidade à Flor Da Poesia disse...

Muito interessante este asunto.
Muito bom o texto.
Verdade é que hoje em dia a maior parte das pessoas sofrem de TOC (Transtorno Obssessivo Compulviso)
já nós as submissas poderíamos trocar a primeira letra T )transtorno) pela letra S (SURTOS)... (rsrs)
Dizem que o tempo cura tudo... também é aliado à bom aprendizado!

Bom fim de semana luah negra

Beijinhos poéticos da leoa...
=';'=

RobertoDom disse...

Belo post.

Perséfone Core disse...

Nossa!
Acredito que a mulher por si só e a carga hormonal que a faz ter altos e baixos todos os meses...naturalmente já é uma surtada! Kkkkkkkkkkkkk.

Mas deixando a brincadeira de lado...hoje trilho um caminho baunilha, mas do tempo em que servi e analisando a submissa adormecida em mim, percebo que tais surtos nada mais são, do que a luta que travamos contra nossos reais desejos.

Sim, porque fomos criadas e educadas de uma forma...e deixar liberar os instintos, a libido, o desejo, a vontade insana de ser punida por sabe-se lá porque, é um processo demorado e, doloroso, se mal conduzido.

Ser submissa, é ter em mente, que estamos sempre em busca não apenas de práticas, mas ao meu ver, de tornar-se um laboratório vivo dos testes de um Mestre/Dominador e porque não dizer? Torna-se alvo de NOSSOS próprios testes. É nessa busca, não aguentamos muitas vezes a nós mesmas.

Nós que nos permitimos que muitos sentimentos cheguem e se construam em nós. Nós que permitimos que a intensidade chegue até nós. E deglutir tudo isso, não é fácil.

Por isso, uma submissa com conhecimento/sabedoria/curiosa, é algo de suma importância, pois é ela que vai permitir que "coisas" aconteçam com ela. E jamais vitimar-se, quando adquire essa consciência.

Surtar é vez ou outra, vem do sentir. Problema seria se nós não sentíssemos.

Luara...tb já surtei e continuo surtando! Sou uma maluca surtada!!!
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Beijos!!! Gosto de te ler!

perséfone core

luah negra disse...

Vita_ST...
Com as pressões dessa nossa vida submissa e mais as viagens da nossa imaginação , fica impossível não surtar ! A minha mente , se eu deixar , viaja pro espaço , vai pra lua...daí , é surto certo rsrs .
Beijos em ti .

luah negra disse...

Ísis , até tu ?!
Então estou indo pelo caminho certo ! Rsrs .
Bom vê-la por aqui deixando esse carinho gostoso .
Obrigada .
Beijos igualmente carinhosos em ti .

luah negra disse...

Sensualidade à Flor Da Poesia

Querendo ou não , eles acontecem , então , que sejam uma válvula de escape e traga crescimento , fortalecimento , que seja positivo sempre .
É melhor surtar e aliviar a pressão acumulada , que não surtar e mantê-la presa , consumindo permanentemente .
Sigamos com o nosso SOC rsrs .
Obrigada pelo carinho das palavras .
Beijos em ti e uma ótima semana .

luah negra disse...


Obrigada , RobertoDom ...

É apenas o depoimento de uma situação antiga , que achei interessante compartilhar .
Minhas saudações .

luah negra disse...

perséfone core , a surtada mais alto astral que conheço rsrs .
Sábias palavras as tuas , em especial essas :
"Ser submissa, é ter em mente, que estamos sempre em busca não apenas de práticas, mas ao meu ver, de tornar-se um laboratório vivo dos testes de um Mestre/Dominador e porque não dizer? Torna-se alvo de NOSSOS próprios testes. É nessa busca, não aguentamos muitas vezes a nós mesmas."
Obrigada pelo carinho e felicidades em sua nova jornada .
Beijos de carinho em ti .