6 de ago de 2014

Relações D/s



Relações D/s. 
Um assunto complicado... mas qual relação intima não é? No entanto, em se tratando de BDSM, a responsabilidade de A/ambos triplica.

Meu intuito não é ditar regras, construir cartilhas ou levantar bandeiras. O BDSM tem as suas já ditadas pela prória hierarquia nas relações. Tenho apenas a intenção de divagar sobre o estilo de vivenciar as relações BDSMistas, mais conhecidas como D/s. Sempre existindo o consenso do respeito, sobretudo no tocante à consideração entre os E/envolvidos.

Cada relação é única, assim como as pessoas que as vivenciam. Esta não é a questão, é ponto indiscutível. No entanto, temos um leque muito grande de relações no meio.

Vemos, nas exceções, submissas sendo tratadas como seres humanos, sendo respeitadas e cuidadas por seus Donos. Donos, também, com atitudes de respeito e consideração para com suas peças.

E, numa grande maioria de relações, geralmente, da parte submissa, o que tenho visto é uma entrega solitária, vazia, em nome da submissão.

Pontualmente aqui, não cabem julgamentos no que tange a falta de sorte, desconhecimento do parceiro, pressa e/ou afobação. Falo de ausência de humanidade, ausência de respeito para com o outro numa relação BDSM.

Acredito que submissa é aquela que coloca as vontades do Outro acima das suas. Além de ofertar prazer incontestavelmente, é de uma total abnegação de vontades. E tem o seu prazer alimentado, nesse ciclo de desprendimento, de resignação, de dedicação, de amor e devoção ao Dono.

Tanto as submissas, escravas, masocas, pets e afins, não são obrigadas a servirem, é verdade, o fazem por suas próprias necessidades e realização. No entanto, isso não justifica que o Dono se mostre indiferente e negligencie a entrega, apenas pelo fato de ser Dominador.

Não falo de cobranças e exigências, algo inconcebível em uma submissa, mas em consideração, visto que essas relações são humanas e como tais, necessitam do respeito de parte a parte.

É sabido pelos grandes Homens que habitam o mundo do BDSM, que Dominação não tem a ver com ausência de humanidade. Sabem que devem ter responsabilidades divididas, ambos devem caminhar no mesmo sentido buscando sempre cuidado, atenção, cumplicidade, carinho e proteção mútuos para o bem estar do C/casal. Para J/juntos desfrutarem dessa inebriante troca de prazeres.

Especificamente, em uma relação SM, submissas esperam ao menos ter sobre si o olhar do Dono, precisam ver o brilho dos olhos Dele ao obedecerem a uma ordem, ficar um dia inteiro nas nuvens com um simples afago...e Estes querem alguém que atenda às suas vontades, além do prazer em ver essas vontades sendo espelhadas e, muitas vezes, amplificadas na submissa.

Em meu modesto entendimento, acredito que a relação D/s necessita ser fundamentada no respeito, na cumplicidade, na confiança, no cuidado, na responsabilidade e no bom senso dos E/envolvidos para que possa existir, ser praticada e vivenciada com desejos, sedução, felicidade e segurança. 




ternura εïз

9 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Muito bem, ternura. Este é um assunto a ser sempre lembrado.
Acreditamos que a submissão é abnegada mas isso não significa que deva ser negligenciada, desprezada.
A quem entrega tanto, espera-se no mínimo a consideração, que não deve nunca ser cobrada mas tb não deve ser esquecida. Ou tudo perde o sentido.
Muito bom.

Beijos

Anônimo disse...

Oi como vai...me identifiquei muito c seu texto...passei por um problema assim...pq meu dono a quem me entreguei não soube dar valor a minha entrega...eu era uma solitaria usando uma coleira e só isso...eles deviam dar mais valor ao q tem... hj em dia tenho medo de me entregar e me machucar...é muito q se dá e pouco ou nada o valor que dão...eu tb não pedia muita coisa só um pouco de atenção....mas ele estava sempre ocupado e acabei só...me entregando a nada e servindo a ninguém...obgda por compartilhar esse texto...diz muito p mim.

luah negra disse...

Concordo com cada palavra tua , ternura , sem tirar nem por .
Para que a entrega faça sentido é preciso haver quem a receba e faça uso dela .
Destaco aqui um trecho que resume bem a questão .
"Não falo de cobranças e exigências, algo inconcebível em uma submissa, mas em consideração, visto que essas relações são humanas e como tais, necessitam do respeito de parte a parte."
Excelente texto , parabéns pela clareza da reflexão .
Beijos .

ternura disse...

@vita_ST : sim vitinha, penso que tanto aqui, qto na vida bau, primeiro temos q nos amar e nos respeitar, para assim, munidas de amor próprio, nos entregar plenamente...para mim, sem consideração, tudo perde o sentido msmo...*pisc

bjs

ternura disse...

@Anônimo: fico feliz que tenha se identificado com o texto e mais ainda, por vc ter (re)descoberto o seu Valor.

não tenha medo de procurar e encontrar alguém certo pra vc...valerá a pena...*pisc

eu que agradeço por doar seu tempo para ler-me.

bjs no cuore



ternura disse...

@luah negra :

q delícia receber teu carinho aqui...

sabe amore, demorei muito pra entender que minha submissão é muito valiosa para não ser respeitada.

respeito é bom, cabe em todas relações e todos merecem...*pisc

bjs querida

Anônimo disse...

Estou passando exatamente pela triste dificuldade de atenção e cuidado do Dono. Estou pensando em entregar a coleira pq ele acha q ñ tem q fazer nada, nem atenção, nem carinho, nem cuidado, ñ valoriza a minha entrega que é total. To muito triste e com medo de me sentir deprimida depois. Pelo menos ler o texto me fez ver q meu problema tbm afeta outrs meninas. Obrigada

ternura disse...

Olá "Anônimo"

sei muito bem do receio que sente. da insegurança que te atormenta, ao pensar-t sem a R/relação. não és a única a perambular pelo vale das dúvidas.

no entanto, lembre-se que antes da escrava vem a pessoa, o ser humano, o qual deve ser tratado com todo o cuidado e atenção.

uma dica q posso lhe oferecer é tenha uma conversa com o seu eu. use o espelho para isso. fale das suas necessidades e não esqueça de falar de sua devoção, da alegria em servir, do bem que te faz ser propriedade...apenas depois de uma conversa franca contigo mesmo...tome uma direção...*pisc

obrigada por vir!!

bjs

Rebeca disse...

Olá, ternura

"Não falo de cobranças e exigências, algo inconcebível em uma submissa, mas em consideração, visto que essas relações são humanas e como tais, necessitam do respeito de parte a parte."

Esse parágrafo, para mim, já disse tudo!! Somos submissas e sabemos do nosso papel, mas somos pessoas com sentimentos.

Um texto para uma boa reflexão.

Obrigada!