10 de jul de 2014

Sobre erros, falhas e perdão



Falhar é diferente de errar .

Às vezes falhamos em algumas tarefas, porém, isso não deve nos impedir de concluí-las .

Costumamos cometer mais falhas que erros e até mesmo nos acertos podem haver pequenas falhas no percurso. Já os erros são mais impactantes por resultarem de sucessivas falhas e, por isso, a culpa pode nos paralisar .

Todos erramos, todos falhamos, há falhas até em nossa avaliação do que é falha ou erro. O que para nós é uma coisa, para o outro pode não ser.

Costumamos ter uma ideia negativa sobre erros. Isso porque, geralmente, eles vêm acompanhados de alguma punição, que pode partir do DONO, de nós mesmas ou de ambos .        
Mas errar sempre será uma característica humana... e por que não nossa também?




A pressão da avaliação, juntamente com o desejo de não decepcionar quem nos domina, acentuam os erros. O medo de errar pode ser tanto que faz com que questões simples se agigantem,  transformando-se em verdadeiros bichos de sete cabeças .

Mas é preciso entender que precisamos apenas fazer o melhor que pudermos, claro que com muita dedicação e responsabilidade e com o objetivo de acertar para que, quando o erro ocorra, possamos ter a certeza de termos tentado.

Aprendemos muitos com erros, nesse momento de frustração e desconforto a lição se fixa  na memória, pois, ao reconhecer e aceitar o erro, busca-se uma nova alternativa para superá-lo.

Se bem trabalhado, o erro deixará de ser apenas frustração, mas será a motivação para encontrar caminhos melhores.

Independente de ser erro ou falha, o importante é dar a devida atenção ao acontecido, nem mais, nem menos, apenas a atenção necessária. Supervalorizar a questão é cristalizar o momento do erro tornando-o difícil de se superar.



Perdoar, punir ou perdoar após punir?

Perdoar é dar uma outra oportunidade para que algo, que não foi bem executado, seja concluído de forma satisfatória.

Punir é um modo de mostrar o certo e o errado, de evitar que um erro se repita, de educar. Sendo assim, punir torna-se um ato de amor.



Nem sempre a punição tem caráter educativo, ela pode ser, também, um modo de impor uma ideia ou vontade. E, por vezes, ela está mais ligada ao ego e ao desejo de causar martírio, de que exatamente à ideia de correção em si.

Punir erros e falhas, sem observar as causas que levaram a isso, embora usual, é pouco eficiente. Agir na causa seria o ideal.

Decerto é que , em algum momento e de alguma forma, é preciso perdoar para que o todo não fique girando em torno de apenas uma questão .



Falhar é diferente de errar, porém, ambos deixam aquela dorzinha no fundo da alma. A culpa pode consumir e entristecer, e essas feridas doem ainda mais quando não sabemos nos perdoar.

Por isso, da mesma forma que relevamos, compreendemos ou perdoamos o próximo, devemos também nos perdoar pelas faltas e pelas falhas cometidas. Por vezes, precisamos tanto do nosso próprio perdão quanto do perdão do DONO.  Esse perdão é muito importante para que se possa voltar a caminhar com mais motivação.


luah negra

12 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Muito interessante essa questão, luah.
Nunva havia pensado dessa forma sobre o erro e sim, se ficarmos eternamente ruminando em cima de um erro sem buscar alternativas e aprendizado nele, isso pode vir a nos trazer barreiras instransponíveis e nos paralisar.
É tão importante ter o perdão do DONO (seja em forma de castigo, punição ou de palavras) como o de nós mesmas.
Muito interessante a reflexão e destaco essa parte:

"Decerto é que , em algum momento e de alguma forma, é preciso perdoar para que o todo não fique girando em torno de apenas uma questão."

É preciso, depois de reconhecer o erro, seguir em frente e não deixar que ele prossiga fazendo estragos.
Ótima reflexão.

Beijos

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , vita_ST !
Essa reflexão nasceu num momento em que me vi diante de uma situação , que eu não conseguia ver o erro , só conseguia ver a falha .
O castigo veio e com ele veio tbm o perdão DELE , mas a lição ,não...daí luahzinha aqui começou a entrar em parafuso rs...faltava o meu próprio perdão .
Parece uma questão mínima , mas estava se agigantando , gerando conflitos internos e podia acabar me paralisando .
Seja erro ou falha , ele só não pode é nos paralisar .
Obrigada por compartilhar aqui a minha reflexão ,vita .
Beijos .

Anônimo disse...

estou sempre acompanhando o blog, sempre muito bom,esse assunto do erro sempre nos deixa muito inseguras,muito obrigada por abordar.

Vivviane_sub


Anônimo disse...

luah, obrigada por presentear com esta reflexão clara e profunda, a quem como eu costuma visitar o blog. Um carinho agradecido.

isadhora disse...

Ninguém é perfeito, não somos máquinas.
A dedicação envolve persistência e esforço, os erros são uma forma de aprendizado e, para muitos, motivação.
O jeito é superar, não perder o foco, e seguir em frente, sempre.
Belo tema, meus parabéns

{desirée }_DOM PINHEIRO disse...

Um texto para uma belíssima reflexão. Em minha humilde visão acrescentaria que como seres humanos somos falhos e passíveis de erros e ainda mais: em decorrência do ambiente ou situações que somos expostos erros e falhas podem trazer um ciclo constante de repetição. Dentro desse ciclo quase sempre assumimos uma postura de vitimização que comumente impede nossa evolução! É preciso ter serenidade e equilíbrio para concluír nossas escolhas e aprender com falhas e erros praticando o exercício de se perdoar! A autoflagelação emocional pode ser perigosa uma vez que passamos a esperar perdão com a punição e raramente conseguimos nos perdoar e enxergar onde falhamos/erramos!
Parabéns pelo texto!

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , Vivviane_sub !
Ninguém gosta de errar , não é mesmo ?! Ainda assim , cometemos muitos erros ao longo da vida , mais outros tantos na nossa jornada submissa e , também , aprendemos muito com eles . Em algum momento , pode haver um erro ou uma falha que nos caia de um modo diferente , como se tocasse em uma parte ainda desconhecida . E então é preciso um olhar diferenciado para avaliar , corrigir e seguir , sabendo que falhou , errou e aprendeu com isso .

Eu também gosto deste cantinho , aprendo muito com o que encontro aqui .
Seja sempre muito bem-vinda .
Beijos .

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Anônimo , nós é que agradecemos por sua visita e participação .
É com muito carinho que compartilho , aqui , parte do aprendizado adquirido na minha jornada submissa .
Obrigada pelo carinho de suas palavras , fico feliz que tenha gostado .
Beijos .

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , _isadhora_ !
Não somos máquinas , é exatamente o que se deve ter em mente.... em meio a tantas cobranças , quase esquecemos disso .
Por mais desagradáveis que sejam , as falhas e erros sempre existirão , crescemos através deles , evoluímos...
A superação vem em diversas formas , inclusive , em forma de falhas e erros .
Obrigada pelo carinho das palavras .
Beijos .

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , {desirée }_DOM PINHEIRO !
Sua participação enriquece a minha humilde reflexão .
As falhas e erros sempre deixam uma sensação ruim em quem os comete . Sendo assim , administrá-los bem é de suma importância . Aprender e evoluir com os erros é o objetivo maior , pois , eles sempre existirão e não podem nos paralisar .
Obrigada pela troca de experiências que soma ao meu entendimento e ao de todos que porventura vierem a buscá-lo .
Beijos .

ternura disse...

É muito difícil para mim falar de erros ou até mesmo de falhas.

Prefiro falar em deslizes. E torcer para que, ao cometer essas pequenas faltas , ter alguém ao meu lado responsável e com alma verdadeiramente Dominante, para me acolher na volta de minha viagem sombria e edificante da regeneração.

Como leitora do blog e apreciadora de suas leituras edificantes, apenas passo por aqui e ratifico as palavras deixadas pelos demais leitores.

Parabéns pelo txto

bjs ternos

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , ternura !
Sim , é difícil falar , aceitar e até definir erros , falhas e deslizes .
Seria perfeito não cometê-los e não vê-los sendo cometidos .
Mas nada é fácil na entrega e ninguém é perfeito...conviver e extrair o melhor das situações vivenciadas , até mesmo das mais difíceis , é a busca de cada um de nós .

Desculpe a demora com a resposta ,uma série de imprevistos me atrasaram .
Obrigada por participar dessa minha reflexão .
Beijos em ti .