22 de abr de 2014

O essencial é invisível aos olhos




Há cerca de um ano conheci o BDSM e conheci quando descobri que só sentia prazer sexual se houvesse dor e humilhação. Não me pergunte como descobri isso, só sei que o sexo foi ficando muito sem graça. Por melhor que fosse o parceiro, parecia que não tinha acontecido nada.

Então percebi que sou masoquista e fui pesquisar a respeito. Cansada que estava de ver homem fugindo de mim quando eu pedia pra me bater ou xingar, fui me informar onde encontraria homens sádicos para me completar.

Pesquisando descobri que existiam Doms e subs e uma relação linda entre eles. Não só uma relação sado-masoquista, mas uma relação com muito erotismo e cumplicidade também. Isso me interessou bastante.
Achei um universo novo a ser vivido.

Mas quanto mais eu tentava entrar nesse universo, mais ele me parecia impossível de ser alcançado porque eu não era a sub q eles procuravam e porque não eram os Dons que eu procurava. E uma relação D/s, como em toda relação, tem que haver afinidades e interesses em comum.

Eu já estava quase desistindo, achando que esse mundo não era pra mim e que eu nunca sentiria o domínio de um homem na minha vida e as dores físicas causadas por ele, muito menos o prazer da submissão.

Até que, finalmente, conheci Meu Dono.
Dono da minha vida, das minhas vontades, Dono de mim.
E descobri a delícia de ser submissa a ele.

Submissão pra mim é desapego, é desapegar-se de si mesma para ver o outro feliz.
Submissão é o ato do mais puro amor.
E quando você encontra seu Dono verdadeiro, você não tem dúvidas, você se entrega sem perceber, sem se questionar.

E quando ele te dá a coleira, que é o símbolo que você pertence a ele e que ele te guiará, você fica segura, porque sabe que a relação é séria e não irá se desfazer de uma hora pra outra.
O Dono não precisa ter o estereótipo de Dom. Ele precisa te tocar a alma onde ela precisa ser tocada.

Tenho certeza do fundo do meu coração que meu Dono é aquele que merece ser servido por mim.
E o sirvo e o obedeço e o amo.
Se ele quer que eu seja a porquinha da fazenda dele, eu serei.
E se a fazenda estiver completa, estarei feliz por ele ter seus bichinhos e serei sempre sua porquinha.
Porque para mim ele será sempre Meu Dono. O Dono que escolhi para servir e que me acolheu.

O pai tem vários filhos, mas seus filhos têm só um pai.

O professor tem vários alunos, mas seus alunos têm apenas um professor.

Assim é com o Dono.

E assim viverei feliz.



úlima
submissa, SP



Próximo post:

"Marketing no BDSM"

por Mhya_Steel

dia 25/04/2014

20h

5 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Que lindo, kel de Sade!
É sempre muito reconfortante encontrar depoimentos tão verdadeiros como o seu. Feliz por este blog estar nos permitindo compartilhar tantas vivências enriquecedoras, diferentes entre si mas iguais no encantamento com a submissão, com o servir e com aquEles que nos guiam.
Agradeço pela leitura desse lindo texto, pelo que tem de verdade nele e pela sua valiosa participação.

Beijos a vc e saudações ao seu sr que te permitiu estar aqui.

Amar Yasmine disse...

Doce menina Kel de Sade!

Em poucas palavras: seu lindo texto é, antes de tudo, um texto honesto. Esta foi minha imediata impressão ao ler assim que chegou.
E, de tão sincero e honesto, causou em mim grande emoção.

Querida menina do Senhor Jean De Sade, te cumprimento pela lucidez, pela consciência submissa, pelo despojamento, pela linda postura. E te agradeço a participação, que espero ser a primeira de muitas.

Beijo muito carinhoso a vc, meu anjo.
Abraço respeitoso ao Senhor seu Dono que tornou possível sua presença no *escravas e submissas*.

Amar Yasmine
escrava encantada do
SENHOR DIABLO

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Olá , Kel de Sade !
É sempre bom ver depoimentos verdadeiros como o teu.
Em tempos em que aparências e grandiosidades imperam , sobrepondo-se à essência do prazer encontrado naquilo que escolhemos vivenciar ,é raro ver depoimentos coerentes , voltados para o que não pode ser visto , mas sim , sentido .
E que bom que temos um espaço democrático , que nos permite colocar a submissão em suas diversas formas .
É uma troca enriquecedora esta .
Beijos ,
luah negra_JH.

ternura disse...

Olá kel de Sade !!

realmente seu texto é muito comovente e gostoso de ler, assim como, repleto de sentimentos honestos.

tbm acho, como vc, que a submissão é ato de amor.
Amor para com nós mesmas e amor para com aquele que nos Guia.

e, pegando carona na citação da nossa amiga luah negra_JH, aproveite esse nosso espaço livre de julgamentos, preconceitos, complexos, inferioridades....

aqui a troca de conhecimentos e ensinamentos é sempre muito valiosa....*pisc

bem-vinda!!
bjs ternos



Raquel disse...

Agradeço muito as palavras e o acolhimento de todas vocês.
Meu texto é simples, mas fico feliz que tenham gostado.
os próximos serão melhores :)
Beijos
Kel de Sade(propriedade Mestre Sade)