19 de abr de 2014

Amor à submissão ou submissão por amor?



A submissão é sublime! Quem aqui não ama dedicar-se, cumprir tarefas, servir calorosamente àquEle que nos domina?

Quando nos submetemos entregamos nossos corpos, mentes e desejos ao Outro de forma inexplicável. Isso chama-se entrega. 

Agora, pergunto: Entregar-se  simplesmente por amar o Outro ou por amar submeter-se?

Eu particularmente amo ser submissa. Amo servir, estar à disposição, ser usada, independente de quem me domina. Quando nos entregamos antes de mais nada é necessário gostar do que fazemos. É como um trabalho árduo, se não amamos este trabalho, é melhor que não o façamos. 
Submeter-se apenas por amar ou desejar o Dominador não é sinal de quem faz esse trabalho com ardor. É esperar que o Outro lhe dê em troca o mesmo sentimento em maior escala, aguardar que Este abra as portas do seu coração para o “Final Feliz”.

Acredito que, ao deixar-nos dominar somente porque amamos, deixamos de lado a razão e simplesmente colocamos o carro na frente dos bois. Deixa-se de lado a submissão e parte-se para a possessão. A entrega submissa se esvai e a vontade de submeter-se vira desejo de possuir, trazendo junto todos os sentimentos oriundos dessa posse: ciúmes, insegurança, expectativas e ilusões.

Submissão é, acima de tudo, amar a si mesma. Apaixonar-se todos os dias por ser o que é e pelas escolhas que se fez. É conquistar a todo instante a autoestima desgastada em relações que muitas vezes nos tiram o chão. Submissão é amar submeter-se!

Não digo que devemos deixar de amar os Donos, ao contrário, damos a Eles o amor da forma mais sincera e fiel que se pode imaginar. Mas, e quando isso acaba? Paramos no meio do caminho e esquecemos que ainda há muito a percorrer? Creio que não.

A estrada é longa, há muito o que caminhar e logo adiante encontraremos alguém a quem amar da mesma forma, talvez com intensidade diferente, mas ainda assim amaremos. Pelo simples fato de que a submissão está dentro de nós e não no Outro e quando Ele se vai, não a leva consigo; ela permanece conosco.

Submissas são submissas por que são, não porque ordenaram que fossem. São escolhas que não podem ser desfeitas, nós que não são desatados. Quem tentar desatar, sentirá as marcas de uma ferida nunca fechada.

SUBMISSÃO nada mais é que: AMAR SER FIEL A SI MESMA!


nude
submissa, SP



Próximo post:

"O essencial é invisível aos olhos"

por Kel do Mestre Sade

dia 22/04/2014

20h

15 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Querida nude, não poderia esperar para comentar seu texto porque o assunto mexe com nossos brios submissos e eu realmente torcia para que alguém tivesse a luz de falar sobre ele.
De fato, a submissão é nossa, é nosso desejo e necessidade de servir, antes de qualquer coisa... por isso servimos.
Quando uma relação acaba é triste, é doloroso, é difícil encontrar novamente o rumo, sabemos disso... mas a submissão fica, ela é uma necessidade nossa, ninguém a leva e por mais que amemos, que nos dediquemos, que nos entreguemos sempre poderemos dar tudo isso a outro alguém.
Uma verdade dura até para nós mesmas, mas real.
Parabéns pela lucidez (esta palavra vem sendo muito repetida aqui... rs... mas é o que me deixa feliz).

Beijos

ternura disse...

Olá moça bonita das mil ideias inquietantes, não menos conscientes sobre nossa essência….

Bem, eu tenho certeza que servimos por AMOR aos nossos condutores….sobretudo , por sermos APAIXONADAS, quase dependentes, pela submissão.

Falarei por mim…

Toda vez que me entrego, o faço por inteira. Na relação eu me envolvo e me deixo envolver….Realmente, pensando ser para sempre. Uma eterna entrega.

E, qdo, por incompatibilidades de diferentes razões a relação se finda…eu murcho…eu mínguo…é como se um pedaço da minha submissão se quebrasse….

Mas minha essência resiliente ao (re) construir o pedaço quebrado…surge como a Fênix, repleta de novas forças, novas determinações.

Novamente, repleta de AMOR por ser quem eu sou, uma submissa de pele, alma, razão e coração…segue, uma vez mais, em procura daquele que merecerá toda minha essência….

Parabéns pela postagem!!!
bjs ternos



*escravas e submissas* disse...

nude, com este texto lindo, vc entra definitivamente para o rol das "mi.... amadas". De agora pra frente, vc será miNudeAmada!

Parabéns por discernir tão bem que ser submissa é amar a si mesma.

Há tempos eu fazia esta descoberta e escrevi:

Não sou tua submissa porque Te amo. Eu TE amo porque sou tua submissa.

Pra mim, é este o princípio soberano da submissão, menina.

Enquanto mulher, Amar não se curvaria aos pés de um homem por amá-lo.
Mas, Amar, submissa, não apenas baixa o olhar, curva o corpo e se arrasta como um verme, para aquELE que é seu DONO e SENHOR. ELE, sim, merece o despojamento total de todo meu ser. E, se um dia a Ele não mais pertencer pq nada é eterno debaixo do Sol, eu O respeitarei da mesma forma, mas meu corpo e orgulho estarão eretos na certeza de que esta será a posição correta dali pra frente.

Parabéns de novo pela leitura perfeita sobre o que é ser submissa.
Beijos de admiração, miNudeAmada!

Amar Yasmine
a escrava encantada do
SENHOR DIABLO

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Ótima reflexão , nude...esse é um tema que divide opiniões.

Há amor na submissão... amamos estar submetidas , amamos o domínio e, com o tempo e a cumplicidade crescente , esse amor tende a se estender também ao DONO .
Não desviando o foco da entrega para si , esse sentimento é positivo , só vem a acrescentar , afinal , tudo que se faz com amor se faz bem feito .
É quando passa a ocupar mais espaço e ter mais atenção que a entrega que o sentimento deixa de ser benéfico à relação .
Se a submissão nasce do desejo , o fim da relação é o fim de uma entrega , mas não da submissão...Nos submetemos ,a princípio , à nossa própria necessidade de entrega , então buscamos por quem se mostre capaz de supri-la , e isso independe de amor ou paixão ,que podem vir a acontecer , porém em nível secundário.

É dessa forma que me coloco diante da questão , mas não é a única ,e sim a melhor para mim .
Bom compartilhar de sua clareza acerca do tema, nude .
Beijos,
luah negra_JH.

Anônimo disse...

Nude,
Eu nem vou acrescentar nada. Compartilho da sua ideia de que o amor submisso advém da própria submissão e não da pessoa que empunha o chicote. É lógico que em algum momento tudo se mescla, mas isso é conversa pra outro texto...
Adorei!
Bjinhos
bia de MELBOR

Maya Doll disse...

Achei o texto perfeito especialmente no amar a si mesma e a escolha que se fez. Infelizmente vejo que muitas vezes as pessoas tiram de si simplesmente para dar ao outro, até não ter mais nada a dar, perdendo o próprio sentido da entrega e do próprio caminho.

Amando-se a si, a escolha da pessoa certa será paciente e não emergente. Terá um caminho de crescimento, mesmo quando sozinha. E aquele que merecerá a entrega, não necessariamente será amado como no amor baunilha, mas será digno do respeito, do orgulho de pertencer e da entrega do que temos de melhor. Não será alguém que nos completa, mas quem nos terá completas.

O fim será difícil, mas será apenas o início de um novo começo, uma nova aprendizagem dentro da escolha que fizemos. E assim como levamos a dor, levamos o experiência e a possibilidade de fazer igual ou diferente, mas viver o que realmente nos completa: a submissão.

Perséfone Core disse...

Ahhhh nude, só pude ler agora, depois do feriado, esse texto tão sensato!!!

Simplesmente adorei e concordo em tudo com vc!

Antes de me entregar, o fiz ao Dono, porque desejava isso, queria muito vivenciar a submissão que até então eu nem sabia que existia.

Não procurei por amor, por conto de fadas de livrinhos, por nada disso, apenas queria ser o que já gritava em mim.

Claro, amo Dono (depois de tantos anos,rs), mas se me submeto a Ele é porque gosto, desejo, isso inflama em mim de um modo, que não consigo controlar e Ele me direciona.

Perfeito nude!

Beijos!!!
{perséfone core}_DC

Perséfone Core disse...

Ah! Esqueci de dizer:

Grudei no blog de novo!!!
A trilha sonora não me deixa sair daqui gente!!!
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Luiisa Nude disse...

Vita.. minha amada!!

Como é bom sabermos quem somos e o que desejamos. O brio da submissão esta dentro e não fora de nós e, isso que nos faz tão importantes e especiais perante ao Outro.

Beijos carinhosos.

Luiisa Nude disse...

Ternuraaa...

"Mas minha essência resiliente ao (re) construir o pedaço quebrado…surge como a Fênix, repleta de novas forças, novas determinações."

Adorei isto que escrevestes...
Assim deve ser, uma alma sempre renascendo.

Beijos!

Luiisa Nude disse...

Amar...
Estou mais feliz ainda por fazer parte deste seu rol de amigos especiais.

Ser submissa é tão magnifico. Nunca buscamos a perfeição e sim a progressão... e amarmos a si é acima de tudo desejar ao Outro como a nós mesmas.

Mil beijos MiAmar!!

Luiisa Nude disse...

luah negra_JH

Ótima sua colocação...
Quando deixamos de amar Aquele a quem nos entregamos, não nos esquivamos da submissão, não deixamos de lado princípios aos quais estabelecemos. Estamos apenas dando um passo a frente, continuando esta caminhada tão bela e tão sinuosa.

Beijos e obrigada!!

Luiisa Nude disse...

Maya... Que prazer te-la por aqui.

A busca da felicidade é constante.
Acredito que jamais devemos dar tudo ao Outro e esquecer de si mesma. Amar a si é a base para amar ao Outro. Quando se tem esse desejo, estamos prontas para nos submetermos não somente pelo amor, mas pela entrega, pelo desejo de ser quem é cada vez mais.

Beijos grandes.

Luiisa Nude disse...

Ah Perséfone...

A entrega sincera é generosa.
quando nos entregamos sem receber nada em troca, sem esperar por um final feliz... Vivemos de forma saudável a submissão, compartilhando de momentos de amor sincero e fiel.

Beijos lindona

(Eu estou cada dia mais viciada na trilha cada dia mais)

Luiisa Nude disse...

bia de MELBOR

Ja conversamos sobre o assunto diversas vezes.. E compartilhamos da mesma ideia.

Obrigada por comparecer aqui sempre.

Beijos sinceros e saudosos.